7 Principais dúvidas sobre varizes nas pernas

Varizes são veias dilatadas e tortuosas que podem surgir e causar dores e inchaços. Sua ocorrência é mais comum em pessoas acima de 40 anos. Pessoas que necessitam ficar de pé ou sentado por longos períodos podem apresentar uma piora nos sintomas.

As veias conduzem o sangue de volta ao coração. No caso das varizes, as válvulas que auxiliam na condução do sangue em direção ao coração não funcionam adequadamente e o sangue acumula nas veias, provocando dilatação,que pode evoluir para inchaços, manchas roxas e alterações na pele.

Listamos aqui as perguntas mais comuns de pessoas que acabaram de ser diagnosticadas com varizes. Confira:

1. Usar salto alto prejudica na circulação de sangue nas pernas?

Apesar de ser um conceito controverso entre os especialistas da área, de fato ocorrem mudanças nos movimentos da panturrilha em mulheres que usam saltos altos (> 3cm), o que acarreta em uma maior dificuldade do retorno do sangue para o coração. Portanto, pessoas que já apresentam varizes podem observar uma piora nos sintomas com uso de salto alto.

2. Mulheres grávidas têm mais chances de apresentar varizes?

Sim, é de conhecimento comum que veias dilatadas podem surgir no início da gestação por ação dos hormônios sobre os vasos e que esta situação tende a agravar-se no decorrer da gestação, possivelmente pelo aumento da pressão venosa consequente à compressão uterina.

3. O que são microvasinhos? Se não tratados, podem virar varizes?

Primeiro vamos entender o que são esses “microvasinhos”. Conhecidos como telangiectasias, são veias muito finas (entre 0,5 e 1,5 milímetros aproximadamente) e que podem causar desconforto e queimação em alguns casos. Na maior parte dos casos elas provocam um desconforto estético, mas não se tornam varizes calibrosas.

4. Varizes são hereditárias?

Sim. Apesar de haver alguns fatores genéticos não completamente compreendidos pela medicina, a ocorrência de varizes em certas famílias que já tiveram casos de varizes anteriormente é comum e aumenta com o passar do tempo. De qualquer forma, é importante deixar bem claro que as varizes têm múltiplas causas e fatores, ou seja, não é porque você tem alguém na família com varizes que, automaticamente, você terá também. É imprescindível procurar um especialista para uma análise mais detalhada.

5. Existem varizes que não podem ser vistas na pele?

Nosso sistema de veias nas pernas é dividido em 2 partes, o superficial e o profundo. O mais profundo é encontrado na região dos músculos e essas veias podem sim se tornar dilatadas como às das varizes, mas neste caso, o nome “varizes internas” não é apropriado. Se você sente dores nas pernas, inchaço e fadiga, mas não tem vasinhos e varizes, procure um especialista para que uma análise mais completa seja feita.

6. Quem tem excesso de peso ou obesidade tem mais chance de adquirir varizes?

Varizes são veias dilatadas que geralmente se situam na parte mais superficial das pernas. Surgem devido à incapacidade das veias de fazerem com que o sangue flua em direção ao coração, havendo assim um aumento do volume de sangue e lentidão da circulação no local, tornando a veia dilatada e tortuosa. O aumento do peso corporal pode sim ser um fator de piora das varizes, pois, ao aumentar o peso sobre as pernas, a circulação tende a encontrar mais dificuldade para retorno do sangue ao coração.

7. Varizes podem levar ao aparecimento de doenças mais graves, como a trombose?

Sim. As varizes em seu estágio mais avançado podem formar coágulos nas veias das pernas, acarretando o que chamamos de trombose venosa. Além disso, as varizes podem evoluir para outros problemas, como:

  • Dermatite ocre: Inflamação crônica da pele com formação de manchas nas pernas.
  • Flebites:Processos inflamatórios com formação de coágulos/trombos nas veias com varizes.
  • Úlceras varicosas:Feridas nas pernas e tornozelos provocadas pela congestão do sangue nesta região.

Não deixe que as varizes evoluam. Procure um especialista

Se você desconfia que está começando a apresentar um dos sintomas das varizes ou tem alguma dúvida sobre a doença, prepare anotações com perguntas e dúvidas e não deixe de consultar-se com a Dra. Fernanda Mescolin para saber como seu caso deve ser conduzido.