Conheça os perigos do aneurisma de aorta e saiba como evitá-lo!

Um aneurisma da aorta é uma dilatação ou alargamento da aorta, principal artéria que sai do coração para fornecer sangue ao corpo. A doença é caracterizada por se desenvolver em qualquer lugar ao longo do comprimento da aorta, mas a maioria dos aneurismas está localizada na parte abdominal, abaixo do nível das artérias renais (os vasos que fornecem sangue para os rins).

Quais são os sintomas e o que causa um aneurisma da aorta abdominal?

A maioria dos aneurismas da aorta abdominal não apresenta sintomas (são assintomáticos) e é descoberta acidentalmente, quando um exame de imagem do abdome (tomografia computadorizada ou ultrassonografia) é realizado. Eles também podem ser detectados pelo exame físico, quando o profissional angiologista sente o abdômen e ouve um sopro, o som produzido pelo fluxo sangüíneo turbulento.

A dor é o sintoma mais comum quando o aneurisma se expande ou se rompe. Muitas vezes, começa no abdômen central e irradia para as costas ou pelos flancos. Outros sintomas podem ocorrer dependendo de onde o aneurisma está localizado na aorta e se as estruturas próximas são afetadas.

Apesar de serem assintomáticos ou produzirem sintomas mínimos por anos, os aneurismas podem crescer rapidamente e podendo causar um início súbito de dor abdominal e dor nas costas grave e constante.

O rompimento de um aneurisma da aorta abdominal pode ser catastrófico, até mesmo letal, e está associado à distensão abdominal, massa abdominal pulsátil e choque devido à perda maciça de sangue.

A causa mais comum de aneurismas da aorta é o "endurecimento das artérias", chamado de arteriosclerose, a doença causa fraqueza na parede da aorta.

A parede da aorta tem três camadas: a túnica adventícia, a túnica média e a túnica íntima. As camadas adicionam força à aorta e elasticidade para tolerar mudanças na pressão arterial. A pressão arterial aumentada cronicamente faz com que a camada de média se enfraqueça podendo levar à dilatação contínua e lenta da aorta.

Fumar é uma das principais fatores de risco para o surgimento do aneurisma da aorta. Estudos mostraram que a incidência de aneurisma da aorta aumenta na mesma proporção em que as taxas de tabagismo da população sobem.

Entenda outras causas do aneurismas da aorta:

  • Genética / hereditária: O risco de desenvolver um aneurisma aumenta se houver um histórico familiar de parentes de primeiro grau com a doença. Não se engane! O aneurisma pode aparecer também em pessoas mais jovens.
  • Doença genética: A síndrome de Ehlers-Danlos e a síndrome de Marfan são duas doenças do tecido conectivo que estão associadas ao desenvolvimento do aneurisma da aorta. Anormalidades do tecido conjuntivo nas camadas da parede aórtica podem contribuir para a fraqueza e formação de aneurisma na aorta.
  • Pós-trauma: O trauma pode ferir a parede da aorta e causar danos imediatos ou pode enfraquecer uma área onde um aneurisma se formará ao longo do tempo.
  • Arterite: A inflamação dos vasos sanguíneos, como ocorre na arterite de Takayasu, pode contribuir para o aparecimento de um aneurisma.
  • Infecção micótica (fúngica): Uma infecção micótica ou fúngica também pode aumentar o risco e está associada à imunodeficiência, abuso de drogas intravenosas, sífilis e cirurgia valvar cardíaca.

Qual é o tratamento para aneurismas da aorta abdominal?

O Aneurisma da aorta abdominal vai se expandindo gradualmente com o tempo. Quanto maior o aneurisma, maior os fatores de risco de ruptura, que inclusive podem levar à morte. Pequenos aneurismas podem ser observados e acompanhados com repetidas ultrassonografias ou outras imagens.

Uma vez que um aneurisma é detectado, devemos tentar impedir que ele aumente de tamanho. É possível reduzir os riscos ao longo da vida. Para isso, é imprescindível incluir os seguintes hábitos no dia a dia:

  • Deixar de fumar.
  • Controlar a pressão alta.
  • Controlar o colesterol no sangue.
  • Manter a diabetes sob controle.
  • Monitorar a rotina e o tamanho do aneurisma.
  • Realizar exames de rotina com constância.

Cada paciente é diferente do outro e a decisão de reparar um aneurisma da aorta abdominal depende do tamanho do aneurisma, da idade do paciente, das condições médicas subjacentes e da expectativa de vida.

Visite uma especialista como a Fernanda Mescolin para entender melhor sobre o distúrbio e sobre as opções de tratamento. Agende uma consulta para entender mais sobre o seu problema e resolvê-lo de uma vez por todas. A Doutora Fernanda é Especialista em Cirurgia Vascular e Endovascular e adepta de tratamentos que possibilitam uma recuperação mais rápida ao paciente. Agende uma consulta pelo Whatsapp. Sua saúde é nossa prioridade!


O que é aneurisma de aorta? Conheça os sintomas e prevenções

A aorta é o principal vaso sanguíneo que leva o sangue para o corpo. Um aneurisma da aorta torácica, que também pode ser chamado de aneurisma torácico, pode levar a uma ruptura na parede da artéria (dissecção) que pode causar sangramento, inclusive com risco de morte.

Dependendo da causa, tamanho e taxa de crescimento de um aneurisma da aorta torácica, o tratamento pode variar e até pode surgir a necessidade de uma cirurgia de emergência. Porém, idealmente, a cirurgia para um aneurisma da aorta torácica deve ser planejada com antecipação pelo profissional da área (cirurgião vascular).

Por isso mesmo, é imprescindível que o alargamento da artéria seja detectado com antecedência. Nossa dica para que você  esteja sempre ciente de sua condição é fazer um check-up vascular, para analisar a situação da sua saúde vascular.

Confira os principais sintomas e fique sempre atento aos sinais!

Aneurismas da aorta torácica geralmente crescem lentamente e sem sintomas, dificultando sua detecção. Alguns aneurismas nunca se rompem. Muitos começam pequenos e permanecem assim, embora muitos aumentem com o tempo. É difícil prever a rapidez com que um aneurisma aórtico pode crescer.

À medida que um aneurisma da aorta torácica cresce, algumas pessoas podem notar:

  • Dor no peito
  • Dor nas costas
  • Rouquidão
  • Tosse
  • Falta de ar

Aneurismas da aorta podem se desenvolver em qualquer lugar ao longo da aorta, que vai do coração até o abdômen. Quando ocorrem no tórax, são chamados de aneurismas da aorta torácica, podendo ocorrer na aorta ascendente, perto do coração, ou no arco aórtico, e até na parte inferior da aorta torácica.

Quando devo ver um médico?

A maioria das pessoas com aneurisma da aorta não apresenta sintomas a menos que ocorra uma dissecção ou ruptura. Ruptura ou dissecção constituem uma emergência médica. Caso apresente um dos seguintes sintomas procure assistência médica imediata em um pronto-socorro:

  • Dor súbita e aguda na parte superior das costas que irradia para baixo
  • Dor no peito, mandíbula, pescoço ou braços
  • Dificuldade ao respirar

Se você tem um histórico familiar de aneurisma da aorta, síndrome de Marfan ou outra doença do tecido conjuntivo, ou válvula aórtica bicúspide, seu médico pode recomendar exames regulares de ultrassonografia ou radiologia, como tomografia computadorizada (TC) ou exames de ressonância magnética (RM) para descartar a existência de aneurisma da aorta.

Procure um profissional e faça sempre um check-up

A Doutora Fernanda Mescolin é angiologista e especialista em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Se você desconfia que tem ou apresenta um desses sintomas, marque uma consulta.

É conhecida por ser adepta de intervenções minimamente invasivas e tratamentos que permitem uma recuperação rápida.

Vamos analisar o seu caso e indicar o melhor tratamento, pois quando o assunto é saúde, você merece o melhor.


Úlceras varicosas x úlceras arteriais: entenda as diferenças

Como já vimos nos artigos anteriores, úlceras varicosas são lesões superficiais ou até profundas, decorrentes de alterações na pele causadas pela perda da capacidade das veias de exercer sua função de levar o sangue de volta ao coração; diferente das úlceras arteriais.

Isso ocorre por diversos fatores como hereditariedade, sedentarismo, tabagismo, entre outros e é consequência de uma disfunção denominada insuficiência venosa.

As úlceras nos membros inferiores que são causadas por problemas de circulação podem ser de dois tipos, varicosas (venosas) ou arteriais. Entenda as principais diferenças de ambas.

Úlceras varicosas (venosas)

Causadas pela dificuldade do sangue em retornar ao coração, correspondem à maioria das feridas que acometem pernas e pés, principalmente de pessoas idosas.

As válvulas venosas evitam o refluxo do sangue para as pernas, direcionando o fluxo sanguíneo venoso no sentido do coração, quando seu funcionamento é prejudicado por qualquer que seja o motivo, há uma elevação da pressão nas paredes dos vasos e o sangue extravasa para subcutâneo e pele ocasionando lesões nesses tecidos e em última análise edema e manchas escuras na perna.

Fique atento/a  aos sinais, pois uma pessoa que sofre desse distúrbio e não trata, pode evoluir com progressão da doença e piora do quadro.

Úlceras arteriais

A principal diferença entre a úlcera arterial e a venosa é o tipo de vaso afetado. Nesse caso, a ferida é formada por uma obstrução da artéria e acontece principalmente pela falta de nutrientes e oxigênio no sangue ou pela ação de placas de gordura. Isso resulta na má irrigação dos tecidos, na morte celular e, consequentemente, em lesões cutâneas.

Como identificar a úlcera arterial:

  • Dores na região da lesão a ponto de o paciente até mancar, em alguns casos
  • Dores constantes e que não aliviam com o repouso
  • O alívio das dores não vem ao elevar a perna e sim em deixá-la em repouso para baixo
  • Geralmente as lesões são em formato circular
  • A pele perde um pouco da cor ao redor da ferida e os pelos na região caem
  • A dor piora à noite

Como prevenir e tratar as úlceras?

O primeiro passo é procurar um angiologista para identificar, diagnosticar e traçar o melhor recurso terapêutico, principalmente porque cada tipo de úlcera necessita de um tratamento, seja para varizes ou mais específico. Por exemplo, no caso das úlceras varicosas é recomendado o repouso com as pernas elevadas e no caso da arterial, esse tipo de tratamento não é indicado. Portanto, tenha atenção com informações incorretas! Consulte um especialista em varizes.

A Dra. Fernanda Mescolin é especialista no tratamento de úlceras varicosas e arteriais. Adepta de procedimentos menos invasivos, os tratamentos indicados pela angiologista são de rápida recuperação.

Se você está enfrentando esse tipo de problema, entre em contato e agende uma consulta. Seu bem-estar e saúde deve estar sempre em primeiro lugar.


Saiba quais são os sintomas da úlcera varicosa e como preveni-la

A úlcera varicosa é uma espécie de ferida que se localiza normalmente na parte inferior das pernas, perto dos tornozelos e pés e são difíceis de cicatrizar devido à má circulação sanguínea na região, inclusive com casos cuja cura demora semanas, meses ou até mesmo anos.

Veja o artigo: o que são úlceras varicosas?

É importante salientar que, se não tratadas, as úlceras podem vir a complicar com infecções sérias, trazer problemas mais graves de saúde e resultar em sequelas indesejadas. Entretanto, esse mal não é difícil de ser identificado e existem formas de evitá-lo.

Confira com a gente os principais sinais e sintomas da úlcera varicosa:

  • Coceira na região;
  • Inchaço nas pernas;
  • Queimação e dor constante na região da úlcera;
  • Tom de pele acastanhado em torno da ferida;
  • Pele mais seca ou com erupções cutâneas;
  • Liberação de um líquido pela pele;

Em casos de piora nas feridas ou até mesmo em um quadro de infecção cutânea, a dor pode piorar, além do surgimento de outros sintomas, como a febre e a saída de secreção purulenta pela ferida.

Apesar de algumas pessoas sofrerem com úlcera por muito tempo, as perspectivas de cura são relativamente boas. Cerca de 90% de todos os pacientes que se tratam com um angiologista e realizam todos os processos das terapias propostas da forma correta, são curados!

Quais são as principais causas das úlceras varicosas?

 

 

Alguns fatores que aumentam o risco do aparecimento da doença são:

  • Histórico de feridas nas pernas e membros inferiores;
  • Varizes nas pernas;
  • História prévia de trombose venosa profunda;
  • Obesidade;
  • Idade (idosos)
  • Histórico de problemas circulatórios;
  • Múltiplas gestações

Qual é o melhor tratamento para as úlceras varicosas?

Existem formas de tentar prevenir a doença, como se alimentar de uma forma correta, reduzir o sal na comida, parar de fumar, controlar a pressão e/ou a diabetes, praticar exercícios, usar meias de compressão e evitar longos períodos de pé ou sentado, quando possível.

Existem muitos tratamentos e terapias para amenizar e até curar as úlceras, porém é muito importante consultar um angiologista de confiança. A Dra. Fernanda Mescolin é especialista em Cirurgia Vascular e Endovascular, adepta das cirurgias e tratamentos menos invasivos, que possibilitam uma rápida recuperação. Além disso, a doutora é conhecida também por trazer métodos avançados e novas tecnologias no tratamento desse tipo de mal. Entre em contato e agende sua consulta.


O que são úlceras varicosas?

As úlceras varicosas (ou como são mais conhecidas, úlceras venosas) são decorrentes de um conjunto de alterações da pele e subcutâneo causadas pela perda da capacidade das veias em exercer sua função, denominada insuficiência venosa.

Excesso de peso, múltiplas gestações, fatores genéticos e longos períodos de pé podem ser causa da incompetência das veias.

As veias são responsáveis pelo retorno do sangue ao coração, para isso elas tem um grande trabalho para vencer os efeitos da gravidade, e contam principalmente com a ajuda de suas válvulas e da musculatura da perna, a panturrilha!

Quando não há um funcionamento adequado de suas válvulas, ocorre o chamado refluxo venoso, que levara ao aumento da pressão nas paredes das veias das pernas, isso ocasionará extravasamento de liquido, células do sangue e outras substancias de dentro da veia para o tecido subcutâneo e pele. Esse mecanismo é o responsável pelos sinais e sintomas da doença, como edema, varizes e manchas escuras nas pernas (dermatite ocre).

Com o tempo da doença, ocorrem cada vez mais alterações na nutrição da pele, o que poderá favorecer o aparecimento de uma úlcera de difícil cicatrização espontânea.

É importante que a pessoa que apresente esse problema fique atenta principalmente às feridas nos pés, pois são de difícil cicatrização e se não forem tratadas da forma correta, podem aumentar de tamanho e infeccionar, causando problemas mais sérios e de difícil recuperação.

Possíveis tratamentos para as úlceras varicosas

O acompanhamento de um médico angiologista é primordial, pois somente um profissional especializado é capaz de analisar o problema e diagnosticá-lo de forma correta, indicando o melhor tratamento para cada caso.

Para começar, é importante melhorar o retorno do sangue ao coração. Para isso, o repouso com as pernas elevadas e a bandagem compressiva são essenciais e aceleram o processo de cicatrização. Além disso, nesses casos é indispensável tratar a hipertensão venosa (causa da úlcera).

Existem muitos tratamentos para as úlceras varicosas, esses deverão ser indicado pelo médico especialista de acordo com as individualidades de cada paciente. Os tratamentos minimamente invasivos (sem cortes) na atualidade são o endolaser e a espuma densa de Polidocanol. Entretanto, caso esteja com este problema, procure um angiologista, pois somente esse profissional vai entender qual é a terapia mais adequada para o seu caso.

O que eu faço agora?

Dra. Fernanda Mescolin é angiologista e adepta à realização de procedimentos menos invasivos e tratamentos com rápida recuperação. Se você acha que está com úlceras varicosas e precisa procurar um profissional qualificado para ajuda-lo, entre em contato e agende uma consulta. Vamos cuidar do seu problema e garantir o seu bem-estar e a sua saúde.


Conheça os tratamentos adequados para os problemas vasculares periféricos

Muitas doenças vasculares são relativamente comuns, porém existem formas de regredir alguns quadros e evitar que os problemas vasculares periféricos se tornem doenças mais graves.

Um dos problemas vasculares periféricos mais comum são as varizes. Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular Regional de São Paulo, estudos internacionais apontam que cerca de 3 a 11% das pessoas com quadro de varizes chegam a estágios mais avançados da doença, o que provoca alterações irreversíveis na região afetada.

Conheça mais sobre os tipos, causas, sintomas e tratamentos adequados para os problemas vasculares periféricos (DVP).

O que são e o que causam os principais problemas vasculares periféricos?

Assim como os problemas mais comuns, como as varizes, as doenças vasculares são causadas pela alteração na parede dos vasos e podem atingir o corpo todo, desde os órgãos internos até os membros (pernas e braços). Os problemas vasculares periféricos mais comuns são:

  • Aneurisma
  • Varizes
  • Trombose Venosa
  • Pé Diabético
  • Doença arterial periférica

Apesar de o tema ser bastante estudado nos meios acadêmicos e existirem muitas teorias a respeito do que origina tais distúrbios, ainda não há um consenso sobre suas principais causas. Porém, existem alguns fatores de risco que facilitam o desenvolvimento e o agravamento das doenças. Alguns fatores são passíveis de mudanças, outros não. Veja a seguir os principais:

  • Tendência hereditária
  • Obesidade
  • Gravidez
  • Sedentarismo
  • Ficar muito tempo de pé
  • Uso de anticoncepcionais
  • Idade avançada
  • Tabagismo
  • Entre outras

Quais são as terapias, exames e tratamentos existentes?

Primeiramente, uma mudança de hábitos pode ajudar. Quem segue um padrão de alimentação saudável e se exercita, tem mais qualidade de vida e, consequentemente, menos chances de sofrer com os distúrbios vasculares.

Os tratamentos de doenças mais sérias podem ser feitos por meio de intervenções cirúrgicas, mas para analisar e diagnosticar, além de uma boa anamnese e avaliação física, os especialistas necessitam em alguns casos, de exames como, por exemplo, o ecodoppler vascular, a angiotomografia, a angioressonância e a Angiografia.

Para tratar das varizes, existem alguns procedimentos avançados, como a Escleroterapia, a Escleroterapia por Espuma Densa e o Tratamento a Laser.

Procure um especialista

Ao perceber a ocorrência dos principais sintomas das varizes e dos problemas vasculares periféricos como dor e inchaço nos membros inferiores e superiores, câimbras constantes, veias com coloração azulada, dormência e formigamento na região das pernas, procure a Dra. Fernanda Mescolin. Entre em contato e agende uma consulta!